segunda-feira, 3 de outubro de 2011

‘Sou baixa, gorda e índia e não me vejo na propaganda da Gisele’

ESSA MINISTRA DEVIA ARRUMAR UMA LAVAGEM DE ROUPA E DEIXAR A GISELE EM PAZ, ISSO TÁ PARECENDO MAIS É INVEJA. VEJAM ABAIXO A NOTÍCIA.

Para dirigente da Secretaria de Políticas para as Mulheres, o problema do comercial com a top model é a informação fora de contexto.

Hugo Passarelli, do Economia & Negócios

SÃO PAULO - A polêmica em relação à propaganda da top model Gisele Bündchen para a lingerie Hope ainda deve durar, ao menos, 45 dias, o período médio de tempo que o Conselho de Autorregulamentação Publicitária (Conar) leva para analisar a suspensão de peças publicitárias consideradas impróprias. O processo foi aberto ontem pelo órgão regulatório.

Quem você acha que está certa? A Gisele ou a ministra?

Para Aparecida Gonçalves, Secretária Nacional de Combate à Violência contra a Mulher, o problema da peça publicitária "não é Gisele Bündchen, nem a lingerie, mas é a questão que está por trás disso. É passar uma imagem errônea da mulher brasileira, que não é submissa, é consumidora, moderna e até presidente", diz. "Agora, se fosse num jantar à luz de velas, o charme e a lingerie até se justificariam", afirma.

Aparecida diz se sentir ofendida pela propaganda, já que, como ela própria descreve, "é baixa, gorda e índia" e não se vê representada na peça publicitária. Ela afirma que o objetivo da Secretaria de Políticas para as Mulheres (SPM) é questionar que tipo de imagem da mulher brasileira está sendo criado.

O Conar ainda está escolhendo o júri que apreciará a questão. Assim, a campanha "Hope Ensina" continua a ser exibida até a decisão final do órgão, uma vez que o relator escolhido para o caso não concedeu liminar exigindo que a campanha deixe de ser veiculada, diz a assessoria de imprensa do Conar.

Após receber denúncias sobre um eventual preconceito da propaganda em relação à mulheres, a SPM enviou um ofício ao Conar pedindo a abertura de um processo. Até o início da tarde desta sexta ainda não havia sido recebido. O motivo, informa Aparecida, é a greve dos Correios, que impediu a comunicação formal usada normalmente pelo governo.

A Secretaria foi a mesma que pediu medidas contra a campanha da Devassa, da Cervejaria Schincariol, onde a socialite Paris Hilton se assumiu "devassa". "De lá para cá, mudou a qualidade da propaganda na TV, porque os publicitários efetivamente começaram a mudar isso (estereotipação da mulher)", diz Aparecida.

http://economia.estadao.com.br/noticias/economia,sou-baixa-gorda-e-india-e-nao-me-vejo-na-propaganda-da-gisele,86370,0.htm

Nenhum comentário:

Postar um comentário