terça-feira, 28 de fevereiro de 2012

QUE PAÍS É ESSE?


ONDE ESTÁ A OPOSIÇÃO DESTE PAÍS???!!! ESTÃO TODOS ANESTESIADOS??? ESTÃO VENDIDOS?

ONDE ESTÁ O JUDICIÁRIO? VENDIDO TAMBÉM?

ME PARECE QUE ESTE É UM PAÍS DE ‘UM ÚNICO PODER”, O DITATORIAL, CORRUPTO E CORRUPTOR.

 

Por favor, não deixem de ver esse vídeo em que o jornalista Políbio  comenta uma escandalosa matéria de capa da revista VEJA desta semana 15/2/2012.  Uma matéria que causa espanto!  Causa também MUITA APREENSÃO!!!

Eis o endereço: http://static.livestream.com/grid/LSPlayer.swf?hash=8mkv8%22


"Na vida não  há prêmios nem castigos. Somente consequências e as consequências advirão."

O MILAGRE DO LULLA E DO PT

Assunto: O MILAGRE

FACIL DE ENTENDER.....

 

 

Uma análise ponderada, muito bem explicada pelo
Economista  Waldir Serafim.

clip_image001


SAIBA O QUE LULA FEZ DE 2002 A 2010 COM A "DÍVIDA INTERNA/EXTERNA" DO BRASIL

Você ouve falar em
DÍVIDA EXTERNA e DÍVIDA INTERNA 
em jornais e TV e não entende direito vamos explicar a seguir:

DÍVIDA EXTERNA

é uma dívida com os Bancos, Mundial, o FMI e outras Instituições,
no exterior em moeda externa.

DÍVIDA INTERNA

é uma dívida com Bancos em R$ (moeda nacional) no país.

Então, quando LULA assumiu o Brasil,
em 2002, devíamos
:


ü Dívida externa        212 Bilhões 
ü Dívida interna         640 Bilhões 
ü Total da dívida     851 Bilhões


Em 2007 Lula disse que tinha pago a dívida externa.

E é verdade, só que ele não explicou que,
para pagar a dívida externa,
ele aumentou a dívida interna
:

Em 2007 no governo Lula:
ü Dívida Externa         0    Bilhões
ü Dívida Interna       1.400 Trilhão
ü Total da dívida    1.400 Trilhão

ou seja, a Dívida Externa foi paga, mas a dívida interna quase dobrou.

Agora, em 2010, você pode perceber que não se vê mais na TV e em jornais algo dito que seja convincente sobre a Dívida Externa quitada.

Sabe por que? 
É que ela voltou...

Em 2010 no governo Lula: 
ü Dívida externa         240  Bilhões
ü Dívida interna       1.650 Trilhão 
ü Total da dívida    1.890 Trilhão


ou seja, no governo LULA, 
a dívida do Brasil aumentou em 1 Trilhão!!!


Daí é que vem o dinheiro que o Lula está gastando no PAC,
bolsa família, bolsa educação, bolsa faculdade, bolsa cultura,
bolsa para presos, dentre outras mais bolsas...

e de onde tirou 30 milhões de brasileiros da pobreza !!!
E não é com dinheiro do crescimento,

mas sim, com dinheiro de
ENDIVIDAMENTO
.


Compreenderam?
Ou ainda acham que Lula é mágico?

Ou que FHC deixou um caminhão de dólares
para Lula gastar?

Quer mais detalhes,
sobre dívida interna e externa do Brasil?

acesse o site:
http://www.sonoticias.com.br/opiniao/2/100677/divida-interna-perigo-a-vista

Os brasileiros, vão pagar muito caro pela atitude perdulária do governo Lulla,
que não está conseguindo pagar os juros dessa
"Dívida trilhardária"
tendo que engolir um "spread"(txa. juros)
muito caro para refinanciar os "papagaios",
sem deixar nenhum benefício para o povo,
mas apenas
DÍVIDAS A PAGAR

por todos os brasileiros,
que pagam seus impostos...!!!

A pergunta que não quer calar é:

Dilma

vai continuar esta gastança?


 REPASSE PELO BEM DO PAÍS

!!! ACORDA  BRASIL !!!

 Para maiores esclarecimentos, leia artigo de Hélio Fernandes no site:

http://www.tribunadaimprensa.com.br/?p=6379

 CADA cidadão brasileiro tem uma dívida , feita pelo Lula, de quase 1.0 MILHÃO DE REAIS.
 

Entenderam porque querem ressuscitar a CPMF?

 

 

 

 

 

 

 

 

 



sexta-feira, 17 de fevereiro de 2012

Até Romário reclama da "vagabundagem" no Congresso: seria cômico, se não fosse trágico...

Publicado em 13/02/2012 pelo(a) Wiki Repórter Júlio Ferreira, Recife - PE

-> - Foto: WEB



É constrangedor o cinismo e o pouco caso com que a maioria dos políticos brasileiros tratam o eleitorado.
O fato é que, acostumados à resiliência com que o povo encara suas mil e uma presepadas, os políticos perderam o pouco de respeito que ainda tinham em relação aos eleitores, e resolveram que deveriam ser tratados com o mesmo desdém com que os “marajás” tratam seus vassalos. Vejamos esse recente episódio em que o deputado Romário (PSB-RJ) “botou a boca no trombone”, reclamando da ociosidade brasiliense, por conta da falta de trabalho no Congresso, afirmando: “Têm três semanas que venho a Brasília para trabalhar e nada. E olha que estamos em ano de eleição. Espero que na minha próxima vinda tenha alguma ’porra’ pra fazer. Ou será que o ano só vai começar depois do carnaval?”.
Fingidamente ofendidos, alguns deputados resolveram sair em defesa da instituição, como se fosse possível defender o indefensável.
Verdadeiros “gigolôs” da atividade parlamentar, alguns “espertalhões do Congresso”, passaram a criticar abertamente o deputado carioca, principalmente usando o falacioso argumento de que por não estar havendo votações no Congresso não significa que não esteja havendo trabalhos.
São uns caras de pau, pois basta um leitura rápida na frase dita por Romário para ver que ele não reclamou da “falta de votação”, mas, especificamente, da “falta de trabalho”.
Que Romário tome muito cuidado, pois, ao expor a “vagabundagem que grassa no Congresso”, pode acabar sendo vítima de perseguições, correndo inclusive o risco de vir a ser alvo de “retaliações regimentais”, sob o argumento de que poderia estar ferindo o que seus colegas chamam de ética parlamentar.
Te cuida Romário!
(FONTE ->
www.ex-vermelho.blogspot.com/)

quinta-feira, 16 de fevereiro de 2012

"Brasil traído: Sivam, lítio e nióbio"

 

Publicado em 07/02/2012 pelo(a) Wiki Repórter Cesar, São Paulo - SP

Lula, que entregou nossas ricas jazidas na Raposa Serra do Sol e Yanomani, com Evo Morales, logo após esse humilhar Lula e o povo brasileiro, pela invasão de nossas refinarias na Bolívia. Evo, pelo menos não é covarde, e protege suas ricas jazidas de Lítio, da total exploração pelos países do G8, apesar de ser, como Lula, um preguiçoso com desculpa ideológica, ou seja, um socialista. - Foto: web
Recentemente um avião espião dos EUA, que traçava linhas na Amazônia Brasileira, não foi identificado a tempo pelo SIVAM (Sistema de Vigilância da Amazônia) e desapareceu. 

Claro, nossos militares sabem que os sinais do SIVAM são captados primeiramente em Porto Rico, território dos EUA. Um arranjo feito secretamente pelos norte-americanos. Sim, afinal, foram eles próprios que instalaram o SIVAM, ao contrário do que queriam os militares brasileiros.

Não bastasse Lula e FHC terem entregue ao G8 nossas maiores jazidas de Nióbio, Itrio, Ouro e Manganês, disfarçadas em “reservas indígenas”, por acordos secretos inconfessáveis, e por não termos força nuclear para dissuadir uma acão militar estrangeira de usurpação de riquezas na Amazônia, a exemplo do Iraque, Líbia e Afeganistão; agora, segundo o serviço de inteligência de nossas FFAA, revelou-se que nessas “reservas indigenas”, intocáveis agora pelo povo brasileiro, encontram-se enormes reservas de Lítio, o metal alcalino e principal componente para toda espécie de baterias que suprem toda a tecnologia eletro-eletrônica e militar modernas.

O Litioe o Nióbio são extremamente estratégicos, sendo o Nióbio, monopólio do Brasil. Só a jazida de Nióbio de São Gabriel da Cachoeira (AM), é maior que todas as jazidas atualmente exploradas por estrangeiros no Brasil. 

Sim, agora por estrangeiros. Todas as ONGs estangeiras em parceria com petistas desses últimos governos, fomentam reservas indigenas onde estão as maiores riquezas minerais, patrimonio das futuras gerações de brasileiros. A desculpa: “Protegerem a floresta” ou os “Povos da floresta”, e isso com o apoio do primeiro escalão de Brasília. Só não contam que são financiados pelos EUA, Inglaterra, Holanda e França.

Ora, se formos falar em traidores, tivemos dois Presidentes da República (Collor e FHC) que trairam o programa nuclear militar brasileiro, delatando-o ao mundo. O qual nos garantiria soberania real sobre nosso território. O que não temos hoje, de fato. 

Imaginem o que aconteceria a esses traidores, se fizessem o mesmo nos EUA ou na Inglaterra? Pela lei desses países, a pena de morte é aplicada. Mas aqui, os traidores são reeleitos...

O plano em andamento do G8 para o Brasil, é o de tranformar parte de nosso território em área internacional de exploração de riquezas, destruindo-nos como Nação. 

Funai, Ibama, Governo Federal e as ONGs financiadas, trabalham para isso, contra o povo brasileiro e nossas FFAA.

Nosso desarmamento civil e militar faz parte desse plano para os próximos 20 anos. A destruição da moral familiar e cristã, a apologia ao homossexualismo, às drogas, à covardia cidadã, e o relativismo moral em curso nas mídias de comunicação no Brasil, também são parte desse plano orquestrado nos governos do G8.

Se não há soberania, não há Nação. O Brasil hoje é a 6º economia mundial, mas é menos armado que uma Venezuela.

Só denunciando o Tratado de Tlatelolco, e efetuando testes nucleares pacíficos, nos colocará perante ao mundo como potência real e respeitável, e não como a colônia que a qualquer momento pode vir a ser repartida ou diminuida em seu território. 

E farão isso se não nos equiparmos devidamente.

terça-feira, 14 de fevereiro de 2012

Vejam só o nível da MEGA QUADRILHA que tomou conta do país. Porém antes de ler, tomem engov, dramin, qualquer produto farmacêutico para inibir os vômitos. Se não dispuser, de momento, dos referidos medicamentos , posicionem-se ao lado do vaso sanitário.

 

O MINISTÉRIO DILMA - Nova ministra da Mulher confessa que já treinou abortos por sucção mesmo não sendo médica. Mais: ela se considera avô de um neto, mas também do aborto

No dia 14 de outubro de 2004, a então apenas professora Eleonora Menicucci, que tomou posse como ministra das Mulheres na semana passada, concedeu uma entrevista a uma interlocutora chamada Joana Maria. O texto está nos arquivos da Universidade Federal de Santa Catarina (a íntegra está aqui). Já fiz uma cópia de segurança porque essas coisas costumam desaparecer quando ganham publicidade. Está certamente entre as coisas mais estarrecedoras que já li. De sorte que encerro assim este primeiro parágrafo: se um torturador vier me dar a mão, eu a recuso, cheio de asco. Se a ministra Eleonora vier me dar a mão, eu me comportarei da mesma maneira, com o estômago igualmente convulso.

Antes que entre propriamente no mérito, algumas considerações. Aqui e ali, tenta-se caracterizar a ministra como uma espécie de defensora apenas intelectual do aborto, apegada à causa no universo conceitual, retórico, de sorte que a sua nomeação não representaria um engajamento da presidente Dilma Rousseff e de governo na causa do aborto. Falso! Falso e na contramão dos fatos. Alguns parlamentares, notadamente da bancada evangélicas, fizeram duros discursos contra a ministra e foram caracterizados pela imprensa como uns primitivos ideológicos. Então vamos ver se a ministra está com a civilização…

Abaixo, transcrevo alguns trechos daquela sua entrevista, concedida quando ela já estava com 60 anos. Não se pode dizer que o diabo da imaturidade andava soprando em seus ouvidos. Não! Eleonora confessa na entrevista que não é apenas “abortista” — termo a que os ditos progressistas reagem porque o consideram uma pecha, uma mácula. Ela também é aborteira. Viajou pela sua ONG à Colômbia para aprender a fazer aborto por sucção, o método conhecido como AMIU (Aspiração Manual Intra-Uterina). Deixa claro que o objetivo de seu trabalho é fazer com que as pessoas se “autocapacitem” para o aborto, de sorte que ele possa ser feito por não-médicos. É o caso dela! Atenção! DILMA ROUSSEFF NOMEOU PARA O MINISTÉRIO DAS MULHERES uma senhora que defende que o aborto seja uma prática quase doméstica, sem o concurso dos médicos. Por isso ela própria, uma leiga, foi fazer um “treinamento”. Não! Jamais apertaria a mão de torturadores. E jamais apertaria a mão de dona Eleonora por isto aqui (volto depois)

“ESTIVE TAMBÉM FAZENDO UM TREINAMENTO DE ABORTO NA COLÔMBIA, POR ASPIRAÇÃO”
Eleonora -  Dois anos Aí, em São Paulo, eu integrei um grupo do Coletivo Feminista Sexualidade e Saúde. ( ). E, nesse período, estive também pelo Coletivo fazendo um treinamento de aborto na Colômbia.
Joana - Certo.
Eleonora - O Coletivo nós críamos em 95.

Joana - Como é que era esse curso de aborto?
Eleonora - Era nas Clínicas de Aborto. A gente aprendia a fazer aborto.
Joana - Aprendia a fazer aborto?
Eleonora - Com aspiração AMIU.
Joana - Com aquele…

Eleonora - Com a sucção.
Joana - Com a sucção. Imagino.
Eleonora - Que eu chamo de AMIU. Porque a nossa perspectiva no Coletivo, a nossa base…

Joana -  é que as pessoas se auto auto-fizessem!
Eleonora - Autocapacitassem! E que pessoas não médicas podiam…

Joana - Claro!
Eleonora - Lidar com o aborto.
Joana - Claro!.
Eleonora - Então vieram duas feministas que eram clientes, usuárias do Coletivo, as quais fizeram o primeiro auto-exame comigo. Então é uma coisa muito linda.
Joana - Hum.
Eleonora - Muito bonita! Descobrirem o colo do útero e…

Joana - Hum.
Eleonora - Ter uma pessoa que segura na mão.
Joana - Certo.

“NÓS DECIDIMOS, EU E O PARTIDO, QUE EU DEVERIA FAZER UM ABORTO”
Num outro trecho, Eleonora conta como ela e o seu partido, o POC (Partido Operário Comunista), tomaram uma decisão: ela deveria fazer um aborto. Tratava-se apenas de uma questão… política!
Eleonora - Porque a minha avaliação era que eu tinha que fazer

Joana - a luta armada aqui.
Eleonora - a luta armada aqui. E um detalhe importante nessa trajetória é que, seis meses depois de essa minha filha ter nascido, eu fiquei grávida outra vez. Ai junto com a organização nós decidimos, a organização, nós, que eu deveria fazer aborto porque não era possível

Joana - Certo.
Eleonora - Na situação ter mais de uma criança, né? E eu não segurava também. Aí foi o segundo aborto que eu fiz.

“EU TIVE MINHA PRIMEIRA RELAÇÃO COM MULHER. E TRANSAVA COM HOMEM; ESTAVA COM MEU MARIDO”
Falastrona e ególatra, como já apontei aqui, ela faz questão de contar na entrevista que teve a sua primeira relação homossexual quando ainda estava casada. Era o seu mergulho no que ela entende por feminismo.
Eleonora - Aí já nessa época eu radicalizei meu feminismo. Eu comecei a militar.
Joana - Onde?
Eleonora - Em Belo Horizonte, eu comecei a militar neste grupo.
Joana - Neste mesmo grupo?
Eleonora - É
Joana - O que se fazia além de discutir?
Eleonora - Nós discutíamos o corpo.
Joana - Certo.
Eleonora - Discutíamos a sexualidade. Eu tive a minha primeira relação com mulher também.
Joana - Hum.
Eleonora - Quer dizer que foi bastante precoce pra essa E transava com homem.
Joana - Certo.
Eleonora - Pra minha trajetória

Joana - Mesmo porque tu também estavas com o teu marido eu acho, não estavas?
Eleonora
- Sim, sim.
Joana - Estavas. Ah

Eleonora - Mas nós nunca tivemos esse E ele era um cara muito libertário. Nós nunca tivemos essa questão de relação
Joana: Certo.

“SOU MUITO AMIGA DO FREI BRETTO. ELE ME PÔS NO CENTRO DE DIREITOS HUMANOS DA DIOCESE DE JOÃO PESSOA”
Ora, qual é o lugar ideal para uma humanista desse quilate trabalhar? Frei Betto — sim, aquele… — deu um jeito de arrumar pra ele um emprego na Arquidiocese de João Pessoa:
Eleonora - E aí, no início de 78, eu já tinha me separado do meu ex-marido e resolvo sair de Belo Horizonte. Aí quando eu saio de Belo Horizonte eu busco um lugar bem longe porque eu não queria mais ser referência para a esquerda.
( )
Eleonora - E eu não podia. Então eu procurei isso. Sou muito amiga, por incrível que pareça, a vida inteira, do Frei Betto e pedi a ele pra me encontrar um lugar o mais longe possível de Belo Horizonte. Aí ele falou “Eu tenho dois lugares onde a Diocese é muito aberta: em Vitória, com Dom Luís, ou em João Pessoa, com Dom José Maria Pires. Eu falei: “Eu quero João Pessoa”, quanto mais longe melhor.
( )
Eleonora - É Mas, assim, eu cheguei, eu. Eu tive que construir minha vida.
Joana -  Hum. Foste trabalhar?
Eleonora - No Centro de Direitos Humanos da Arquidiocese da Paraíba.
Joana - Tá legal.
Eleonora - E aí eu comecei a trabalhar com as mulheres rurais de Alagamar, que era o que eu queria ( ) Logo depois, retomei um grupo, a minha atividade de grupo de reflexão feminista com algumas mulheres em João Pessoa. A maioria de fora de João Pessoa e duas de dentro   Então nós criamos o primeiro grupo feminista lá em João Pessoa. Chamado Maria Mulher.
( )
Eleonora - É. “Quem ama não mata” e “O silêncio é cúmplice da violência”, e aí começamos a nos articular dentro do Nordeste.
Joana - Tá.
Eleonora - Era o SOS Mulher. O SOS Corpo e um grupo de reflexão que tinha em Natal

Joana
: Hum.
Eleonora - De auto-reflexão. E no Maria Mulher, o que é que nós fazíamos? Nós fazíamos auto-exame de colo de útero, auto-exame de mama.
( )
Eleonora - Depois, em 84, eu venho pra São Paulo fazer doutorado em Ciência Política, já articuladíssima…

Joana-  Imagino…
Eleonora - com o feminismo e com linhas de pesquisa bem definidas do ponto de vista feminista.
Joana - Quem é que te orientou em São Paulo?
Eleonora - Em São Paulo, foi a Maria Lúcia Montes, uma antropóloga. Embora, na época, ela fosse da Ciência Política. E, em 84, eu entro para o doutorado com uma tese que era sobre Direitos Reprodutivos e Direitos Sexuais a partir É a construção da cidadania a partir do conhecimento sobre o próprio corpo.
Joana -  Isso por conta do teu trabalho com as mulheres?
Eleonora - Por conta do meu trabalho com as mulheres em uma favela chamada Favela Beira-Rio.
Joana - Certo.
Eleonora - Lá em João Pessoa.
Joana - Hum.
Eleonora -  Que hoje é um bairro. Então nesta época eu fiquei quatro anos em São Paulo fazendo a tese e voltando a João Pessoa. ( ) E aí fui coordenadora do grupo de Mulher e Política da ANPOCS, do GT.
Joana: Hum.

“EU TINHA ATITUDES MASCULINAS ( ) ERA DECIDIDA, DETERMINADA, FORTE, SABIA ATIRAR”
Neste trecho, ela revela como enxergava — enxergará ainda? — os papéis masculino e feminino. Ah, sim: ela sabia “atirar”. Afinal, não se tenta impor uma ditadura comunista no país só com bons sentimentos, não é?
Joana - Já. E com relação às organizações das quais tu participavas?
Eleonora - Ah, primeiro que as mulheres dificilmente chegavam a um cargo de poder

Joana -
Mas tu eras a chefe?
Eleonora - Eu era. Fui uma das poucas. Por quê? Eu me travesti de masculino

Joana - É? Como era?
Eleonora - Eu tinha atitudes masculinas ( ) Era decidida, determinada, forte, sabia atirar

Joana -
Huuunnnn.
Eleonora - Entendeu?
Joana - Entendi.
Eleonora - Sendo que muitas mulheres sabiam isso tudo.
Joana - Certo.
Eleonora - Transava com vários homens.
Joana - Certo.
Eleonora - Essa questão do desejo e do prazer sempre foi uma coisa muito libertária pra mim, e por isso eu fui muito questionada dentro da esquerda.
Joana - É?
Eleonora - É.
Joana - Dentro do mesmo grupo do qual tu eras a líder?
Eleonora - Sim. Porque o próprio Por questões de segurança, eu só poderia ter relação sexual com os companheiros da minha organização.
Joana - Certo.
Eleonora - Num determinado momento, sim, mas na história do movimento estudantil, também já existia isso.

“EU TIVE MUITAS REFLEXÕES COM MINHAS AMIGAS NA CADEIA; UMA DELAS, A DILMA”
Neste outro trecho, a gente fica sabendo que Dilma Rousseff foi sua companheira também nas reflexões sobre o feminismo.
Eleonora - E, depois, imediatamente eu quis ter outro filho

Joana - Hum.
Eleonora - E muito no sentido de pra provar para os torturadores, mesmo que fosse simbolicamente, que o que eles tinham feito comigo não tinha me tirado a possibilidade de reproduzir e de ter uma escolha sobre meu próprio corpo
Joana - Hum.
Eleonora - Então eu tive mais um filho e logo que ele nasceu também de cesária eu me laqueei.
Joana - Certo.
Eleonora - Então Eu tinha , Eu fui presa com 24 para 25 mais ou menos.

Joana - Nossa Senhora!.
Eleonora -.E sai com 30.
Joana - Certo.
Eleonora - Assim, da história toda e com 30 para 31, tive o meu segundo filho e fiz a laqueadura de trompas
( )
Joana -  E então, tu saíste da cadeia em 74.
Eleonora - Certo.
Joana - Tu tiveste algum contato com o feminismo dentro da cadeia, com leituras feministas.

Eleonora - Não.
Joana - Ou depois?
Eleonora - Não, não. Ao longo da cadeia eu tive Durante a cadeia? Eu tive muitas reflexões com as minhas companheiras de cadeia

Joana - Tá.
Eleonora - Uma delas é a Dilma Roussef.
( )
Joana - Fizeram uma espécie de grupo de consciência?
Eleonora - Grupo de reflexão lá dentro.
Joana - Grupo de reflexão.
( )
Eleonora - Porque eu já saí É.. Eu já saí em 74, eu saí em outubro.
Joana - Certo.
Eleonora - No dia 12, Dia da Criança, eu saí já bem claro que eu era feminista.
Joana - Certo.
Eleonora - E, logo que eu saí da cadeia, eu em Belo Horizonte, fui procurar um grupo de mulheres.
Joana - Esses grupos de consciência?
Eleonora - É, só que era um grupo de lésbicas.
Joana - Certo.
Eleonora - E eu não sabia. Era um grupo de pessoas amigas minhas.
( )
Eleonora - Porque eu voltei a estudar!
Joana - Ah, legal!
Eleonora - Eu parei de estudar em 68.
Joana - Huuummm.
Eleonora - Eu parei no quarto ano de Medicina e no quarto de Ciências Sociais.
Joana - Foste concluir?
Eleonora - Fui, aí eu voltei pra concluir.

Joana - Certo.
Eleonora -  Na UFMG, e optei por acabar Sociologia.

“SOU AVÓ DE UMA CRIANÇA NASCIDA POR INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL NA MÃE LÉSBICA; E TAMBÉM SOU AVÓ DO ABORTO”
Finalmente, destaco outro momento de grande indignidade na fala desta senhora. Ao se dizer avó de um neto gerado por inseminação numa filha lésbica e também “avó do aborto”, não só expõe a sua vida privada e a de seus familiares como, é inescapável constatar, demonstra não saber a exata diferença entre a vida e a morte. Leiam. Volto para encerrar.
Eleonora - E eu digo que a questão feminista é tão dentro de mim, e a questão dos Direitos Reprodutivos também, que eu sou avó de uma criança que foi gerada por inseminação artificial na mãe lésbica.
Joana - Hum, hum.

Eleonora - Então eu digo que sou avó da inseminação artificial.
Joana: (risos)
Eleonora - Alta tecnologia reprodutiva. E aí eu queria colocar a importância dessa discussão que o feminismo coloca no sentido do acesso às tecnologias reprodutivas.
Joana - Certo.
Eleonora - Entendeu? E eu diria: “Eu fiz dois abortos e também digo que sou avó do aborto também porque por mim já passou.
Joana - Sim.
Eleonora - Também já passou nesse sentido. E diria que eu sou uma mulher muito feliz e muito realizada. E eu pauto em duas questões: na minha militância política e no feminismo.

Encerro
É isso aí. Ao nomeá-la ministra, Dilma escolheu sua trajetória, suas idéias, suas práticas. Peço a vocês que comentem com a fleuma necessária. É preciso que se evidencie, com a devida serenidade, que uma aborteira informal e confessa não pode ter lugar na Esplanada dos Ministérios. A sua entrevista como um todo evidencia um pensamento torto. É inconcebível que esta senhora seja considerada uma articuladora de políticas públicas depois da confissão que fez. Até porque, se estivesse no Brasil, não na Colômbia, seu lugar seria a cadeia — em pleno regime democrático, sim, senhores!

É o fundo do poço.

Por Reinaldo Azevedo

quarta-feira, 8 de fevereiro de 2012

-ISSO É COMUNISMO - SOCIALISMO DE MERDA

Novo “sucesso” maoísta: genocídio comuno-ecológico no Camboja

Novo “sucesso” maoísta: genocídio comuno-ecológico no Camboja
A China moldou os regimes comunistas do Oriente. Particularmente o do Camboja, onde os guerrilheiros vermelhos exterminaram mais de um quarto da população nacional.

Logo após a conquista da capital, Phnom Penh, metade dos habitantes do país foi impelida para as estradas. Doentes, anciãos, feridos, ex-funcionários, militares, comerciantes, intelectuais, jornalistas eram chacinados no local. 41,9% dos habitantes da capital foram eliminados nessa ocasião. Para poupar bala ou por sadismo, matava-se com instrumentos contundentes.

As multidões de ex-citadinos foram conduzidas a campos coletivizados. Ali trabalhavam em condições duríssimas, recebiam horas de doutrinação marxista, com pouco sono, separação total da família, vestimentas em farrapos e sem remédios.

 

Ensinamentos de Mao: revolução é um ato de violência

Ensinamentos de Mao: revolução é um ato de violência
"A revolução não é o convite para um jantar, a composição de uma obra literária, a pintura de um quadro ou a confecção de um bordado, ela não pode ser assim tão refinada, calma e delicada, tão branda, tão afável e cortês, comedida e generosa. A revolução é uma insurreição, é um ato de violência pelo qual uma classe derruba a outra."

OS COMUNISTAS DEVERIAM IR MORAR EM UM PAÍS ONDE O REGIME É COMUNISTA, EXISTEM MUITOS POR AÍ AINDA, EU PARTICULARMENTE INDICARIA PARA TODOS OS COMUNISTAS DO BRASIL A CORÉIA DO NORTE, CUBA E CHINA.

NO BRASIL É FÁCIL SER COMUNISTA E DEFENDER AS BANDEIROLAS VERMELHAS DE PARTIDOS ONDE SE ESCONDEM A CORJA NACIONAL, EU QUERIA VER ESSES PSEUDO-COMUNISTAS-SOCIALISTAS DE MERDA IR MORAR NA CORÉIA DO NORTE, EM CUBA OU NA PRÓPRIA CHINA ONDE SE MANTÉM 96% DA POPULAÇÃO NO AMBIENTE AGRÁRIO ESCONDIDA DO RESTO DO MUNDO SENDO TRATADOS COMO ESCRAVOS E ONDE O ESTADO É PROPRIETÁRIO DOS PRISIONEIROS PARA MATÁ-LOS E VENDER OS ÓRGÃOS A QUEM PAGUE MAIS.  É SÓ ENVIAR UM DESSES CRETINOS QUE APOIAM FIDEL, CHAVES E OUTROS SEM VERGONHAS PARA VER SE AGUENTAM 2 MESES E NÃO PEDEM ARREGO PARA VOLTAR E CONTINUAR MAMANDO NAS TETAS DO POVO.

FIDEL CASTRO FEZ DE CUBA UM ANTRO DE PROSTITUIÇÃO PARA GANHAR DINHEIRO E MANTER UMA REVOLUÇÃO MENTIROSA E SEU EGO. ISSO É SER COMUNISTA-SOCIALISTA DE MERDA.

COMUNISTA É ANTES DE TUDO UM VAMPIRO QUE SUGA ATÉ A ALMA DOS OUTROS PARA SOBREVIVER.

Carta de uma cubana

FONTE: http://www.lepanto.com.br/Sylviaport.html

Tradução para o Português
Enviado por uma cubana que escapou de morrer em fevereiro de 1996, quando Fidel Castro mandou derrubar aviões civis que buscavam resgatar balseiros cubanos no mar, em águas internacionais.
Centenas de milhares de cubanos já fugiram de Cuba pelo mar, rumo à costa americana, quase sempre utilizando embarcações improvisadas.
Destes, muitos perderam suas vidas tentando alcançar a liberdade,
longe do comunismo e longe de sua pátria…


A quem for simpatizante de Fidel Castro,
leia e reflita sobre a realidade de um povo que clama por liberdade, diante do silêncio e da indiferença dos países livres…
Este e-mail foi enviado em resposta a uma simpatizante do regime cubano, que havia escrito para a
Frente Universitária Lepanto.
A resposta foi escrita, de forma espontânea, pela Sra. Sylvia, no dia 22/6/99
A pedido nosso, ela autorizou que se publicasse este e-mail, enviando algumas pequenas correções no dia 12/7/99


Recebido em 22/6/99

Estimado Sr. V:… estimo que é importante que conteste à Sra. S. com a realidade cubana. Ela ouviu todos os mitos da “revolução” e do “homem novo”, propagados pelo regime castrista e apoiados por muitos interesses no nível internacional. A história é como segue:

Antes de Fidel Castro, havia prostituição em Cuba… em bairros específicos, e haviam leis para essas casas de prostituição. Normalmente, era um ofício que não motivava muitas mulheres. Depois do triunfo da “revolução”, Fidel Castro converteu Cuba, desde “pinar del rio” até o oriente, de ponta a ponta, em um prostíbulo para turistas e como meio de atrair moeda forte à decrépita e inoperante economia da “revolução”.

Cuba, antes de Fidel Castro e sua revolução, estava muito avançada em alcances econômicos e leis sociais, era considerada a Paris das Américas e estava entre os primeiros países da América Latina em tudo. Há estatísticas em cada um dos setores que a Sra. deveria ler e que talvez eu, algum dia, possa te enviar para que o distribua. O dólar americano estava na mesma paridade que o peso cubano, tão forte era a nossa moeda.

Em Cuba, antes de Fidel Castro, havia educação pública. A educação é outro dos mitos de Fidel Castro e seu regime. Saiba a Sra. S. que desde que as crianças nascem, o regime de Castro faz um ‘carnet’ onde marcam a vida da criança, se está integrada aos ideais do regime, se é um ‘pionerito’, e que obrigam às crianças, em troca desta educação ‘gratuita’ a cortar cana no campo… e que o estado comunista tem o pátrio poder sobre a criança, e não seus pais? Incrível custo a educação ‘gratuita’ de Fidel Castro e seu regime.

Em Cuba, quase todos os hospitais que existem atualmente foram construídos antes do ano 1959, data em que Fidel Castro e seu regime se apoderaram do país. Os turistas têm acesso à saúde, médicos e hospitais. Sem embargo, o povo de Cuba não tem o mesmo acesso. … porque esta (a saúde cubana) está reservada para aqueles estrangeiros que deixam os preciosos dólares para fortalecer o regime castrista em sua permanência no poder.

O outro mito do regime é que o embargo é a causa do sofrimento do povo cubano. Este é o maior dos mitos. Castro pode comprar e comercializar com todos os países do mundo livremente, menos com os Estados Unidos, os quais têm sanções econômicas contra o regime. O que passa é que os recursos do regime, em vez de serem empregados para o bem do país e seus cidadãos, são usados para manter no poder o comandante e sua ‘elite’, exportar a guerrilha (sobre tudo na América Latina, como foi provado uma e outra vez e cujas horríveis conseqüências estamos vendo diariamente), comercializar com o narcotráfico, produzir meios para guerras bacteriológicas (como foi amplamente informado na imprensa), reprimir o povo e propagar internacionalmente toda essa ‘sarta’ de mentiras a ouvidos surdos ao clamor de um povo pela sua liberdade e seus direitos, a indivíduos que preferem – ou lhes convém – crer nessas mentiras.

Saiba a Sra. S que a maior quantidade de divisas que entram em Cuba (calculadas em $800,000 milhões) são enviadas por exilados cubanos e que a maior quantidade de ajuda humanitária provém dos Estados Unidos a Cuba? O que passa em Cuba, sim é culpa de Fidel Castro e de seu regime.

É certo que em quarenta anos de ditadura e tirania, Fidel Castro e seu regime fuzilaram, encarceraram, reprimiram, torturaram, submetendo homens e mulheres cubanos, cometendo crimes contra a humanidade e violando todos os direitos humanos de um povo.

Atualmente, de ponta a ponta da ilha, se está fazendo uma greve de fome de quarenta dias, por opositores pacíficos, pedindo a liberdade dos prisioneiros políticos e o respeito aos direitos humanos.

No dia 13 de julho de 1994, lanchas patrulheiras do regime castrista, sob as ordens do comandante Castro, investiram contra um rebocador carregado de homens, mulheres e crianças que tentavam escapar de Cuba em busca de liberdade. Diante dos gritos desesperados de mães com bebês nos braços, os “novos homens” da revolução empunharam mangueiras de água de alta pressão, arrancando, literalmente, os filhos dos braços de suas mães. Enquanto caiam na água e gritavam, as mesmas patrulhas, na escuridão da noite, faziam círculos em redor deles, criando um redemoinho de água que tragou a vida de 41 homens, mulheres e crianças, que jazem no fundo do mar. Milhares e milhares de cubanos deixaram a ilha cruzando o mar no estreito da Flórida em qualquer coisa que flutue em uma busca desesperada de liberdade.

Em 24 de fevereiro de 1996, três pequenos aviões civis de ‘hermanos al rescate’, em uma missão humanitária de salvamento de vidas, no estreito da Flórida, em águas internacionais, em busca de balseiros que perdem suas vidas no mar, dois ‘migs’ de castro, sob as ordens do comandante também, pulverizaram no ar dois desses  aviões, assassinando, com premeditação e em plena luz do dia, a quatro jovens americanos e cubanos. Só um desses pequenos aviões pode regressar à base nesse dia. Eu o sei bem, pois meu esposo e eu fomos uns dos sobreviventes…

Sabemos da natureza criminal de um tirano e de seu regime. Lila (presidente da organização), por exemplo, pode te contar muito disto. Seu marido morreu nas areias da praia de ‘giron’ em 1961, lutando por liberdade, direito inalienável de qualquer povo. Ao mesmo tempo, fuzilaram maridos de outras diretoras de nossa organização e encarceraram a homens com penas de 16 e 22 anos.

Saiba a Sra. S. que existem, em Cuba, centenas de prisioneiros políticos e de consciência, e que prestigiosas instituições internacionais, como a Comissão de Direitos Humanos das Nações Unidas, Anistia Internacional, Pax Christi e muitas outras, condenaram a Fidel Castro e seu regime por violações dos Direitos Humanos de todo um povo, e informaram que em Cuba, a repressão, ao invés de diminuir, aumenta? Sabe ela que existem quatro opositores e dissidentes pacíficos – Marta Beatriz Roque Cabello, Félix Bonne Carcasses, Vladimiro Roca e Rene Gomez Manzano – encarcerados pelo mero fato de escrever um documento alternativo ao documento do partido comunista, intitulado “A pátria é de todos”?

É hora já de negar o “aperto de mãos” ao ditador Fidel Castro, e de estreitar um abraço solidário ao povo cubano.

Sim, há muita dor, e há muita indiferença à dor do povo cubano. Também desinformação. Sinto não poder seguir escrevendo. Tinha tantas outras coisas verídicas que contar. Porém, quando escrever à Sra. S., diga-lhe que veja a realidade cubana, que é muito diferente da exposta por ela, por desinformação ou por decisão. Um abraço e obrigado por defender os direitos de nosso povo.

Sylvia Iriondo

 

Mao e a REFORMA AGRÁRIA:  COMUNISMO É ISSO AÍ QUE VOCÊS VÊEM

Mao e a REFORMA AGRÁRIA:
"Encontrou-se, em boa política, o segredo de fazer morrer de fome aqueles que, cultivando a terra, fazem viver os outros".

 

Wukan: pescadores e populares resistem a cerco da polícia chinesa

Cansados de serem constantemente enganados pelas autoridades locais, os agricultores da vila costeira de Wukan, na província de Guangdong, sul da China, estão desde setembro em protesto contra o governo comunista da cidade.
A polícia isolou a vila de 20.000 habitantes, cortando o abastecimento de alimentos para quebrar a resistência popular pela fome. Porém, a morte de um manifestante sob custódia da polícia acirrou ainda mais os ânimos.
Em causa está a apropriação de terras agrícolas por funcionários socialistas, ação que se tem tornado recorrente na região, como há muito no resto do país comunista. Esta mesma situação é vivida por outros 50 milhões de camponeses, os quais perderam suas terras na última década, noticiou
“Global Times”.

Centenas de hectares foram expropriadas pelos dirigentes locais do Partido Comunista, que se enriquecem às custas dos residentes, cujas terras os comunistas revendem para projetos de construção, sem indenizar os proprietários.
Segundo “The Daily Telegraph”, mil policiais foram engajados no cerco aos residentes de Wukan que desafiam a polícia marxista, a qual bloqueou as estradas que conduzem à vila para não permitir a entrada de alimentos.
Quase todos os pontos de alimentação da cidade estavam fechados. Os habitantes resistiam graças a um corredor clandestino que traz alimentos das aldeias vizinhas. A repressão socialista impede que a frota de barcos pesqueiros de Wukan possa pescar.
O braço-de-ferro resultou em confrontos com as forças repressivas após a morte de Xue Jinbo, representante local eleito para negociar com o Partido Comunista.
Os populares acusam a polícia de homicídio. Segundo o genro de Jinbo, seu corpo tinha ferimentos nos joelhos, o nariz estava coberto de sangue e os seus polegares pareciam partidos. As autoridades locais recusam-se entregar o corpo à família.
“O caso está sendo investigado”, disse Zheng Yanxiong, líder do Partido Comunista da cidade de Shanwei, que supervisiona Wukan, citado pela agência de notícias oficial chinesa Xinhua.
O próprio termo “Wukan” foi censurado no Weibo, o serviço de microblogues mais popular da China, impedindo os chineses de saber mais informações sobre o assunto.
A agitação social está se tornando cada vez mais comum na China, principalmente em relação à corrupção generalizada e a um sistema judicial ideologicamente a serviço da ditadura.
Quando protestos análogos começaram a se espalhar pelo país, o governo aceitou um “acordo” com a população. Mas ninguém sabe se ele pensa de fato cumpri-lo.

 

CORÉIA DO NORTE –ISSO SÃO COMUNISTAS DE MERDA, PERGUNTEM SE ALGUMA DESTAS PESSOAS QUERIA ESTAR LÁ!?

Norte coreanos comparecem à estátua do líder Kim Il-Sung em comemoração de seu 57º aniversário


Norte coreanos comparecem à estátua do líder Kim Il-Sung em comemoração de seu 57º aniversário
KCNA/Reuters